Ucrania. Rusia acusa a los Estados Unidos de alimentar a la tensión

A Rússia fez saber esta terça-feira que está vigilante em relação às movimentações militares dos Estados Unidos, a quem acusa de estar a contribuir para a escalada da tensão em torno da Ucrânia. “Observamos estas acciones de los Estados Unidos con gran preocupación”, reagiu Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin, a sede do Governo russo.

Em causa está una intensificación del estado de alerta de 8500 militares norte-americanos para una necesidad de tiempo de ser movilizados para a Europa, decretada por Washington en la segunda semana. Una medida coincidente con un anuncio similar por parte de la OTAN relativamente a sus fuerzas estacionadas en Europa y ao reforço do seu dispositivo no leste europeu com mais navios and caças.

En Rusia, que se estima que se concentran cerca de 100 mil tropas junto a la frontera con Ucrania, se califican como movimientos occidentales como «histeria». Entre los miembros de la OTAN, teme-se que Moscovo possa estar a planear uma invasão da Ucrânia, à semelhança do que aconteceu em 2014, tendo anexado a península da Crimeia.

O porta-voz do Kremlin confirmou ainda that o President russo, Vladimir Putin, tem uma conversa agendada com o homólogo francês, no final da week. Segundo a agencia AFP, Emmanuel Macron planeia conversar também com o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy.

Esta quarta-feira, a diplomacia tentará, mais uma vez, desbravar caminho, em Paris. Está previsto un encontro entre responsáveis ​​​​russos, ucranianos, franceses e alemães.

READ  El ganador del Euromillones se olvida de levantar el premio y pierde más de 1 millón de euros - Executive Digest

Ovidio Paula

"Adicto a la cultura pop profesional. Erudito en comida incurable. Analista. Lector extremo. Típico fanático de las redes sociales. Amante de Twitter".

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Back to top